O Espiritismo em Nossa Vida

O livro dos espíritos é uma obra extraordinária, de uma riqueza incomparável, cujo conteúdo merece ser lido e estudado continuamente por todos nós que desejamos conhecer e vivenciar os ensinos do Espiritismo.

O livro apresenta uma conclusão importantíssima para compreendermos a Doutrina Espírita em sua essência e o perfil de seus adeptos.

Vejamos com que profundidade e didática Allan Kardec inicia o item 7 da conclusão da mencionada obra:

O Espiritismo se apresenta sob três aspectos diferentes: o das manifestações, o dos princípios e da filosofia que delas decorrem e o da aplicação desses princípios. Daí, três classes, ou, antes, três graus de adeptos: 1º os que creem nas manifestações e se limitam a comprová-las; para esses, o Espiritismo é uma ciência experimental; 2º os que lhe percebem as consequências morais; 3º os que praticam ou se esforçam por praticar essa moral. Qualquer que seja o ponto de vista, científico ou moral, sob que considerem esses estranhos fenômenos, todos compreendem constituírem eles uma ordem, inteiramente nova, de ideias, que surge e da qual não pode deixar de resultar uma profunda modificação no estado da Humanidade e compreendem igualmente que essa modificação não pode deixar de operar-se no sentido do bem. [LE, Conclusão, it. 7, Trad. Guillon Ribeiro, FEB)

A explicação kardequiana é bastante significativa. A Revelação Espírita entre nós passou por três períodos complementares: 1º) da fenomenologia espirítica; 2º) do estudo e reflexão; 3º) da aplicação dos seus ensinos. Pode-se fazer um paralelo com o perfil dos próprios adeptos espíritas, que também passamos por esses períodos ante os princípios reveladores que se refletem em nossa postura: curiosidade, estudo e vivência.

O mais importante a se inferir do registro de Kardec ao finalizar o parágrafo é de que o conhecimento do Espiritismo deve nos levar a uma profunda transformação moral, em nossa efetiva renovação para o bem. O progresso espiritual será daí decorrente.

Fonte/Geraldo Campetti