O maior tratado

 

Sim, ele é o maior tratado sobre mediunidade, já publicado. É o segundo livro da Codificação Espírita e surgiu em 1861, quatro anos depois de O Livro dos Espíritos.

Falamos sobre O Livro dos Médiuns, a notável obra da Codificação, que contém os fundamentos doutrinários do Espiritismo sobre essa faculdade humana que nada mais é do que a do intercâmbio entre o plano daqueles que estão encarnados, e portanto utilizando corpos carnais, e os espíritos, aqueles que já deixaram o mundo físico.

A mediunidade não é exclusividade nem invenção do Espiritismo. Trata-se de uma capacidade humana, estudada e orientada pela Doutrina Espírita, pois que lhe constitui um dos pilares de seus fundamentos. A comunicabilidade dos espíritos liga-se à nossa condição de imortalidade e, sendo que todos somos espíritos, o fato de habitarmos outra dimensão não nos separa dos laços de afeto ou desafeto, daí o permanente intercâmbio entre os planos dos encarnados e dos espíritos.

        Imagina-se, equivocadamente, que os espíritos são seres envoltos em fumaça ou que aparecem revestindo lençóis esvoaçantes com dois furos no lugar dos olhos. Não! Os Espíritos somos todos nós, filhos de Deus, seres capazes de amar e pensar. Ocorre que utiliza-se a expressão espírito para designar a condição daqueles que virão ao planeta, aliás retornando a ele, ou que dele partiram, mas vivendo intensamente a natural continuidade da vida humana.

Por questão didática, Allan Kardec denominou espíritos os seres desprovidos do corpo carnal e alma para aqueles ligados à existência material. Mas são palavras sinônimas, significando apenas nossa condição de seres individuais e pensantes.

Na página de rosto da obra, encontramos Espiritismo Experimental e o subtítulo de Guia dos Médiuns e dos Evocadores, além do acréscimo indicativo do conteúdo da obra: o ensinamento especial dos Espíritos sobre a teoria de todos os gêneros de manifestações, os meios de comunicação com o mundo invisível, o desenvolvimento da mediunidade, as dificuldades e os escolhos que se podem encontrar na prática do Espiritismo, em continuação de O Livro dos Espíritos.

Composto de duas partes, sendo a primeira com quatro e a segunda com 32 capítulos, além da esclarecedora introdução, a obra é um desdobramento natural do livro II (composto de 11 capítulos e 538 perguntas e que recebeu o título Do mundo espírita ou mundo dos Espíritos de O Livro dos Espíritos), justamente ampliando o importante tema da mediunidade, essa capacidade humana que se apresenta em graus distintos, que não é doença, nem privilégio, mas compromisso de trabalho com o próprio aprimoramento e com o progresso da humanidade.

É obra para orientar e disciplinar o uso e prática dessa sensibilidade variável e presente em todo ser humano. Por isso deve ser consultada e estudada continuamente, para evitar-se os excessos do fanatismo, da crença cega e mesmo do misticismo que tantas vezes está presente nas referências aos chamados médiuns.

Foi através dela que surgiu a Codificação Espírita. É através dela que vieram e continuam a vir as instruções, o consolo e o conforto moral que ilumina a vida, através de textos e verbos lúcidos que nos ajudam a compreender a vida, provindos de inteligências lúcidas e moralizadas que trabalham igualmente pelo bem e pelo progresso.

Para entendê-la, todavia, é preciso estudar. Pois que também é usada, quando praticada sem conhecimento, sem discernimento, por mentes invigilantes e descompromissadas com a verdade e com o bem. É quando surge a fraude, o embuste, a exploração. Daí a necessidade de conhecer em profundidade.

É nossa indicação da semana.

 por Orson Peter Carrara