Por um mundo mais aconchegante

É comum as pessoas demonstrarem desconforto ao observarem o mundo e perceberem problemas enraizados como a demagogia, a burocracia, a corrupção e a violência. Algumas vezes chega a parecer utopia imaginar um mundo justo e fraterno, com menos competição e mais colaboração. Muitas vezes, em nome da razão e da ciência, os sentimentos são tratados como fraquezas. Pode ser que, diante deste contexto, muitos se sintam como se estivessem sendo adestrados, com mensagens sobre o que fazer, beber, comer, usar, aprender e até o que sentir. Isso pode levar ao uso de máscaras, que escondem quem realmente se é na tentativa de driblar tentativas de convencimento e a imposição de regras.
A despeito de tudo isso, pode-se perceber, de forma até otimista, que se vive melhor, e não raro até com mais prazer, quando se está em companhia de pessoas menos extremistas, mais dispostas a nos aceitar sem que seja necessário usar máscaras, a nos compreender mesmo quando nós próprios temos dificuldade em nos compreendermos, a nos respeitar mesmo sendo tão diferentes e, às vezes, até contrárias ao que somos. Pessoas dispostas a confiar em nós quando nós mesmos chegamos a duvidar da nossa capacidade e utilidade.
Em geral, essas pessoas valorizam que se diga das coisas o que realmente são. Não idolatram a tecnologia nem a ciência, mas as defendem para fins de autoconscientização e como ferramentas para o autoaprimoramento. Assim como defendem que a experiência de viver é a integração do sentir, do pensar e do agir. Estão sempre em busca de novas maneiras de aproximar, de partilhar objetivos, de comunicar o que pensam e o que sentem. Preocupam-se com outras pessoas, se esforçam para ajudar, mas cuidam para que essa ajuda não se torne uma invasão.
Buscam valorizar o ser em detrimento ao ter. E anseiam pelo espiritual que transcenda o individual e que promova unidade e harmonia. São características às vezes muito sutis. Pessoas assim parecem ser raras, mas não são tão poucas quando passamos a lhes dar atenção e há algo em comum entre elas: aceitam de braços abertos os que estão em um processo de entender o que são, de entender o que querem ser e de caminhar nessa direção.
Fernando
CVV Goiânia/GO
* Precisando conversar? Acesse http://www.cvv.org.br e veja as formas de atendimento.